28 de fevereiro de 2018

Aquarela

Meus pés percorrem a estrada de terra
Estão vermelhos
Pintados de argila
Terra roxa.

O pôr-do-sol honra a vida 
Com sua paleta de cores
Luz roxa
Laranja, amarela.

No meu peito
Abre-se um leque de tons
Enquanto olho meu caminho
São mil cores incandescentes
Queimando a cada bater do meu coração.

Não olho para trás
Apenas para o sol.
A tarde já está a findar
A noite logo vai chegar
Minha casinha me espera
Ao fim da estrada
Com fogão de lenha
E café quente.

Continuo o meu andar
Como prece a rezar
Cantando a cada passo
As belezas dessa roça.

Lá vem ela
Minha casa, tão modesta.
Abro a porta
E de lá de dentro
Saem as crias
Suas risadas a acalentar os ouvidos
E a esconder qualquer pranto.

Crianças com outras mil cores
Dentro do peito
Pés descalços
Também vermelhos
Bochechas rosadas...

Esse é o lugar para onde
Todos os dias eu volto
Todos os dias, sinto
E amo ainda mais a vida.

Qualquer estrada que leve a elas
Vale a pena,
Qualquer momento aqui presente
Tinge a alma de aquarela.

(Gláucia Minetto Martins)

Nenhum comentário:

Postar um comentário