14 de agosto de 2016

Roseira

uma rosa que sangra
amarga os dias do jardim 
amargo gosto do entendimento bruto
das coisas que concluímos de repente
na decepção selvagem da vida a ser apenas quem é
mas que mostra o sol a cada manhã.
sorri e chora o dia-a-dia
cai e dança o dia após dia.

(Gláucia Minetto Martins)

Nenhum comentário:

Postar um comentário