29 de julho de 2016

No teatro

Eu queria que você me mostrasse o seu rosto
Abrisse essa cortina vermelho escura que eu vejo
Como em peça de teatro.
Queria que você olhasse
Dentro de todos os abismos
Encontrando as chaves
Dos mistérios insondáveis
Que eu espalhei pelo chão
E voaram com o vento.
Queria que você encontrasse a minha vida também
Perdida, no alto de alguma montanha
E a trouxesse para junto do meu corpo imóvel.
Os meus quereres são tantos
E as tuas barreiras também
Minhas questões são mais numerosas ainda
E minha intuição me assombra a todo instante
Enquanto você passa ao longe
Atrás da cortina do teatro
Quase assobiando
Como aquele que você sempre foi...
Inalcançável e sublime
Calmo nas tuas tristezas e solidões
E eu sempre aqui, assistindo
E escutando.

(Gláucia Minetto Martins)

Nenhum comentário:

Postar um comentário