5 de janeiro de 2015

Chuva


Silêncio em meio à tarde
Vento e sol se escondem
Passam os minutos, questão de tempo
Chuvisco
Chuva
Tempestade
Enxurrada, cidade alagada.
Silêncio
O silêncio da chuva lá fora
O silêncio que ela traz.
Lembranças
O desejo do frio 
Mas por hoje não
O calor não vai embora...
A internet falha
Cai o sinal
Exílio
Solidão.
Chove lá fora 
E aqui dentro de mim.
Quase longe de tudo...
Na cadeira, olhando para a tela
Lembrando da recente tela da minha vida
E das pessoas-palavras-gestos-atos-arrependimentos.
O canto que entoa a chuva
Melodia orquestrada para as frágeis mentes humanas
Felicidade! Pois a tudo lava...
Mas também melancolia... Tudo traz
Ela... A chuva.
As gotas se cansam
A música vai se acabando
Chuvisco
Mormaço
Seca o chão.
Até o próximo número
De chuva lá fora
E deserto na cabeça.

(Gláucia Minetto Martins)

Nenhum comentário:

Postar um comentário