1 de outubro de 2014

Um sorriso e uma parede

quando não se quer nada
além de uma conversa e um sorriso
um leve cair de cabeça em sinal de compreensão.
quando não se quer que o tempo volte
mas sim que aconteça de novo,
de um jeito diferente.
ficar esperando
oito dias é muito
dois é muito também...
quando se sabe que o sorriso que se quer
está a dez passos de distância,
o portão está aberto!
mas uma parede insiste em se materializar

4 comentários:

  1. Verdade... não basta o portão aberto, Gláucia... E com um pouquinho de egoísmo, desejar um "quem nos dera se a tal parede não existisse" de vez em quando não faz mal a ninguém!
    Beijo grande!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão, afinal, sempre tem um meio de espiar! haha
      Beijoss!!

      Excluir
  2. Quando as paredes das dificuldades se fazem apesar do querer e do abrir-se as portas do coração; quando o difícil adentra uma história que poderia ser fácil... Então nos perguntamos: que fazer? que pensar? Isto é belo demais em teu poema. Belo, sensível e verdadeiro. E a resposta é uma só: continuar querendo. Continuar querendo que o que não é visível seja visto, que o que não é sentido se sinta, que o que não é sentimento igual se iguale, que o que é parede caia totalmente por terra... Vez ou outra, a vida de quem ama se resume a querer. E neste querer está toda a nossa felicidade. És bela. Beijossssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lucas!
      Sim! E o poder do pensamento é forte, podemos ter o que desejamos.
      Mil beijos.

      Excluir