22 de setembro de 2014

Sobre o nada que é agora

Eu gostava do seu beijo
de brincar com o seu queixo
de estar no seu abraço
no perfume
no aconchego

Eu gostava do que você era
das promessas que eu fiz a mim mesma

Gostava tanto
da sua pele clara
do cabelo onde eu enroscava os dedos
do riso e do olhar
das coisas que falávamos
das conversas sobre nada
e sobre o nada...

Seus cabelos agora cresceram
ora, o passado chegou para nós

Há quem não acredite
mas não é que eu sinta tanto
pois eu estive calejada

Me vêm a pena pelo que você abriu mão
por motivos tão vazios
sem juras nem garantias

Espero que nós dois
sejamos pessoas melhores
universo em expansão

(Gláucia Minetto Martins)

Nenhum comentário:

Postar um comentário