8 de setembro de 2014

A faca e o queijo


"In my dreams, I climb the hills I see
and let a gentle breeze lead me to
plains I once have seen and
Clear blue sky, I swim in lakes I find
I build a house right there
that you can't take.. never take away"

me faça louca
me faça bem
fica em silêncio
e olha pra mim
me joga uma faca
eu vou cortar essas cordas
me dê a chave
eu quero abrir a porta
e correr pelos campos
eu quero ser
eu quero sentir
à terra incorporar a minha história
construir meus abrigos e portos
plantar trigo e tanto mais...
ser,
e ver.

(Gláucia Minetto Martins)

2 comentários:

  1. Leio teu poema que grita tais anseios, e remeto-me a um dia em que a chuva me encontrou caminhando numa estrada, e me dei, de repente, compondo versos de anseios, os quais nunca escrevi, e que somente aquela chuva conhece. São belos os teus versos, é belo o anseio de ser, o anseio de ver, o anseio do sentimento ainda desconhecido nos invadir. Sinto falta da chuva! Em tua terra ela também não vem. Mas sobre tua vida há nuvens carregadas de doçura, há nimbos que despejam em gloriosa suavidade versos que regam o mais ressequido dos pensamentos. Tu incorporas à terra tua história. Tu nunca passas em silencio por entre nós. E quando nos damos conta, choveu, e fomos tocados pelo anseio de ser... e de ver... Beijosssssssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas, essas suas palavras são poesia pra mim. Muito obrigada. Não tenho nem o que te dizer, além de obrigada. Beijo grande.

      Excluir