28 de maio de 2014

Bosques


Me dê a mão
Por entre os bosques escuros 
Me guie de vagar
Vamos caminhar sentindo o frio implacável 
Ouvir o sussurro das plantas
Sentir o olhar pesado das árvores sobre nós.
Estarei a seu lado
Por entre as trilhas sinuosas
Matas fechadas e dunas ao vento
Estenderei meus braços
Para me deixar levar
E quando você estiver cansado
Serei tua guia também
Por entre os sons da floresta,
Por entre a música dos carros no asfalto.

(Gláucia Minetto Martins)

Um comentário:

  1. Como fostes inspirada nesses versos! A beleza desse poema (rara e encantadora) se assenta em que um amor perene, seguro, recíproco, compartilhado, pode não apenas resistir às dificuldades da vida quanto superar suas outras belezas! Muito belo, adorável. Beijossssssss

    ResponderExcluir