6 de outubro de 2013

Poema sobre a vida toda

imagem

Antes que a cova encarregue-se do meu corpo
Não poderei caminhar
Por todas as terras que sonhei
E não terei tempo para todas as histórias
Que moram nos livros dos quais sou sedento.

No desenrolar monótono dos meus dias
Acabo por entender, então
Que a vida é apenas vontade.

Compreendi que aqui se nasce
E aqui se morre
Mas só se vive segundo a Constituição
E a Constituição dos bons modos, também

Os indomáveis são loucos
Bombas ativas,
Insanos amantes da verdade.

O corpo que gera
Expulsa seus filhos
Em favor da vida,
Da qual não se escapa.

A tal liberdade
Frente aos meus olhos não é nada.
Se eu sair para ser qualquer coisa
À tardinha preciso voltar para casa.

Não importa o que se queira
A alma nunca ficará completa.
Apenas vivo o roteiro que aprendemos.

(Gláucia Minetto Martins)
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário