29 de maio de 2013

Tempo, rotina e amor


Estive bem e não quis saber das falhas
Ignorei os erros que cometeram e refletem em mim
Relevei toda briga que escutei
Equilibrei os lados da balança que caiu em minhas mãos.
Senti-me falso ao querer o bem de todos
Traindo os sentimentos de um e outro
Me contive e remoí o que me corta
E o pulso que atinge em cheio a minha paz
Escrevi cartas para Aquele sem defeitos
Fiz-me fraco, inconstante e chagado
Depositei aos pés da cruz que sempre espera
A minha súplica, a minha dor, a minha angústia
O desânimo e morte lenta que corrompem todo o sangue do meu corpo.
Fui ouvido e senti-me pleno
Confiei e amei o que me acalenta brandamente
Tão suave que quase não consigo sentir.
Mergulhei na grande paz que me perdoa
Abracei a vida que escorre vermelha pelas chagas
Mas reneguei meus sentimentos pela escória humana.
Ainda sinto a mão que me chama
Reluto em minha sujeira com o mundo inteiro mantendo-me ao chão
Porém amo e reconheço
E irei sempre ao encontro de quem me espera no horizonte
Levando miséria e amor humano nas mãos que abrem caminho
Pelas florestas geladas do tempo e rotina.

(Gláucia Minetto Martins)

16 de maio de 2013

O que eu quero de você


Te achei 
Te vi
Assim meio frágil no meio de tudo
Não sei se na hora senti pena
Acho que foi mais curiosidade
Pra saber de todo o passado

Te vi de novo
Te achei de novo
Entre todo mundo
Você me viu também

Será que só me olhou passando
Ou se me ver amanhã e depois
Vai se lembrar do meu rosto?

É que você é tão bonito...
Ou sei lá
Só quero saber mais
Sobre você
E aprender o seu jeito
Os seus traços
O seu cabelo
O seu defeito
E os outros defeitos também...

Só saber o que te faz
Levantar da cama todo dia
O que te acalma
E o que não acalma

Eu não sei se vou mesmo aprender
Mas é só pra deixar claro
Que eu quero.

(Gláucia Minetto Martins)

7 de maio de 2013

Guarda

um anjo desceu do céu
pra guardar uma nova vida
olhou nos olhos que choravam
a mão nos ombros colocou
quando os passos surgiram
e caminhou ao lado
quando estes as ruas conquistaram

viu as primeiras lágrimas que não eram de fome
e ajudou a espantar os medos que vieram
do escuro e todo o resto.

um anjo desceu do céu
amando o bem
pois conquistou o paraíso
e a guarda do caminho que leva até ele

abraçou o amor que escorre pelo Coração Chagado
e juntos os anjos cuidam de todos os corações chagados.

os anjos andam pela luz que não se acaba
levam a vela secretamente
pra cada chama que há dentro de nós

cada anjo que desce do céu
governa e ilumina aos céticos e aos crentes
que aqui estão para um dia poderem sentir
a bela complexidade do universo.

(Gláucia Minetto Martins)


3 de maio de 2013

Os olhos dela



No olhar dela há abismos,
Mistérios profundos jamais explorados.
Há oceanos arrasadores
Arrastando navios em tempestade.

Os olhos dela são universo em expansão
Levando galáxias vastas e belas
Repletas de estrelas mais brilhantes
Que o fogo incessante
Tremeluzindo no coração.

(Gláucia Minetto Martins)