15 de janeiro de 2013

Sobre as coisas que eu lhe disse



Pela janela do ônibus, os prédios ocuparam o lugar da cidade da minha memória, da minha infância.
Aqui, em cada curva, um acidente. Lá, em cada curva, um passarinho. Um bando, brincando de interior.
Nas ruas, o trânsito já batido. Lá, "o centro tá parecendo São Paulo".
Se desvio o curso agora e for pela estrada, sou despedida, mas encontro o passado. Porém, encontro a cidade, a rua... E não a casa, que já se foi.
Sobre as coisas que eu lhe disse enquanto a nossa vida se formava, parece-me que se foram. Eu falava muito melhor na teoria.
Sobre as coisas que eu lhe disse, as quais sempre acreditei. Esqueci-as, mas estão cravadas em algum lugar dentro de mim.

(Gláucia Minetto Martins)

Nenhum comentário:

Postar um comentário