10 de dezembro de 2012

Sobre o beijo que não tivemos


Quanto pesa aquele beijo que não lhe dei?
Você se lembra?
O gosto da sua boca que nunca provei
indo de encontro à minha
Os lábios formigando pelo desejo
à menina que desabrocha
aos catorze, feito flor, 
que precede o fruto
no sereno da manhã, sorrindo para o sol

A carne que cega a razão
mas não o pensamento
que liga-se, então 
à mais bela e perigosa tentação 
que torna-nos humanos.

Os sentidos aguçados
tato, paladar
concentram-se
ignoram qualquer fator externo
aliás, a ignorância do desejo.

O peso do beijo que não lhe dei
é grande e incômodo
e o preço é o fardo...
A impiedosa e miserável
imaginação...

(Gláucia Minetto Martins)

Nenhum comentário:

Postar um comentário