20 de agosto de 2012

Os sentidos, a escravidão


A tua sinceridade
Navalha na carne
Lágrimas amargas
Soluços no escuro

Ser
Apenas ser...
Por um segundo
Abraçar o que te cerca
As horas, a vida, a sede
Incansáveis,
Intoleráveis.

Pelo menos uma vez
Esquecer os pensamentos
Que te levam
Pra longe, longe
Longe, perto

Esquece e volta então
Puramente indefeso...
Transparente

Viajando pela fragilidade
Dos sentidos.

(Gláucia Minetto Martins)

Um comentário:

  1. Perfeito o pensamento! Os sentidos, a escravidão e a vontade de ser, sem ter!

    ResponderExcluir