2 de agosto de 2012

Benzinho



Meu anjo
meu amor
meu querido
e tudo o mais
que te declaro
meu.

Querido, perdi-me
na imensidão melancólica
da saudade.
Pensamentos poetas,
imperfeitos.

Meu doce,
meu côco.
carinho,
mô,
amante.

O teu olhar é meu...
Foram moldados aos meus olhos
os teus.

O negro do teu fitar:
a hipnose a brincar
comigo...
E com a mente,
viva, a suspirar.

Eu nasço e morro
vivo e morro
nas tuas mãos,
meu bem

Bem fique
bem viva
bem fale.
Bem morra, também.

Bem.
Meu bem.


24/07/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário