2 de julho de 2012

Por favor



Você não tá sozinho, não
Vêm pra eu te dar um pouco de mim mesma
Vêm pra conversar.

Tira todo o male da cabeça
Esquece as dúvidas que corroem o coração.

Não volta pra casa, volta pra sua vida...
Que agora lhe pertence pouco, eu sei
Mas aguenta, alguns poucos anos.
Não desperdiça essa vida,
Por favor.

Se faça feliz
Mesmo longe do seu ninho.
Vai contando devagar até que a poeira abaixe
E quando chegar no mil,
Tudo já vai estar mais fácil.

Pela janela do ônibus,
Te via andando pelo mundo.
O mundo é seu.

Espera,
Calma.
É só o que eu peço,
Por favor.

Pelo menos uma vez
Não estraga toda a chance de ser alguém mais,
De me fazer tranquila por saber que tudo vai se encaixando.

E agora?
As coisas se embaralham
Saem dos eixos...
Sua decisão ordinária.

Já se passaram dois anos
Você não pode voltar a ser
O estudante esperando o sinal
Que já não existe...
Com a mente no passado.


2 comentários: