23 de julho de 2012

Elas em coro


Ela não respira. Por atenção.

Ela não respira. Por alegria.

Ela não respira. Por defesa.

Ela não respira. Por submissão.

Ela não respira. Por bloqueio.

Ela não respira. Por carência.

Ela não respira. Por perfeição.

E elas vão andando,
Devagar.
Lapidando em cada esquina
Cada ponto de sua singularidade

Por que você ama mais minhas qualidades
Que os meus defeitos?

No caixão, então
Como moldura dos dias perdidos
Cada flor velará todas elas

Vela e chora o maior traço,
O corte que sangra
De cada mal dessas cargas
Apimentadas, intensas

Respirarão, no descanso
Desse desespero que é a vida
Apimentado, intenso desespero.

Foto


(Uma postagem inspirada em algumas das mulheres mais presentes na minha vida, todas com suas  características marcantes.)

3 comentários:

  1. Oi Glaucia!
    Mulheres intensas! Muito legal teus versos e a imagem casou muito bem! bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou. ^^
      Fiquei um bom tempo procurando a imagem! hahaha

      Excluir
    2. Mas valeu a pena, ficou perfeita! bjs e ótimo fim de semana!

      Excluir