21 de dezembro de 2011

Para o teu sorriso


Vamos brindar por uma nova fase
Pelo teu sorriso...
Esse é um presente pelo teu "novo futuro"
Espero muito dos teus atos, no palco ou na vida.

Nenhuma entrelinha abaixo nos proíbe
Desse céu que você me mostrou,
Que sempre esteve lá, mas que nunca enxerguei.

Que tudo dê certo, mais que merecido
Que muitos aplausos satisfeitos completem
O homem que você aos poucos se torna.

Que todo enredo você leve também ao cotidiano
Que todo o sorriso lhe seja correspondido
Pois se não há sorriso agora, é porque este é o segredo
Que será revelado, algum dia desses.

Segurança é tudo em você.
Não desista de nada.

Fim

Querido passado,

Não sei se o superei, não sei se quero superá-lo.
Não sei se isso é obra de alguém que quer mais do que pode ter, lembra mais que qualquer um de momentos mortos na memória. Sinto tanto por pensar na mesma coisa todos os dias, a sina que carrego...
Sinto por esboçar essas linhas por algo já nascido morto e que nem merece minha preocupação, ao invés de esboçá-las por algo muito mais concreto.
Não posso dizer-me que não mando em meus sentimentos, que não posso controlar esse instinto, porque sei que posso, e é por minha chama febril e doentia que vivo sempre a esperar, vivendo com outras pessoas, mas sempre voltando ao mesmo ponto. Tudo é fugaz, menos a tola tragédia que construo, dia a dia, acreditando em algo irreal.
Não sei se vai passar... Pode ser que isso jamais aconteça, mas sei, no fundo de minha teimosia que nada nunca será dito.

"O vi de longe, distraído... E percebi que meu tempo pensando nele - insistente pensador - não foi perdido. Não foi insignificante... Tem um sentido em minha história que ainda não assimilei, não encontrei, mas sei que existe, forte e intocado."

Porém irrealizável, talvez nem eu mesma queira isso.

9 de dezembro de 2011

Alimento da alma

O amor repara as chagas do coração e da mente.
Em forma de pai e mãe, cura o machucado, cura o medo do escuro.
O amor não se importa. Suporta!
Retém toda a mágoa para decifrá-la por inteiro, até mesmo sem pedir desculpas... É que o amor por si, anda e desanda só para tornar-se mais forte.
Quebra e cola, 'Super Bonder divino'. Cola, e não forja o coração como uma espada, porque de tudo o que chega e passa, busca deixar marcas, cicatrizes... Pois o amor por inteiro não busca perfeição.
O amor é pilar que sustenta o dia-a-dia - máscara quebrada das telas de cinema - sustentando a realidade longe da vida lá fora, aquela construída abaixo de cada teto.
O amor não tem mania de riqueza, cheiro bom ou ruim, modos bonitos ou feios.
Se faz de cada palavra, que alegra ou que corta, de cada sorriso, irônico ou sincero. E acima de tudo da presença constante, do aprender a amar acima do bem ou do mal, do agradável ao martirizante. O amor é amor. Não se define.
Força, mistério divino, assim como a fé, que também é uma forma de amar.
Sentimento criptografado no ódio ou semente na paixão.

7 de dezembro de 2011

Poema esquecido


Estou caminhando,
Deixando pegadas na areia...
O que virá me é incerto
O que virá é agora remediado
Diante de nossos olhos
Nada misericordiosos

A cada momento a vida se esgota...
Mais e mais...
Minha casa que é de pedra
Não se rompe com o vento...

Minha casa é divida
entre carne e osso,
alma e opinião.



Agonia circense


Destes dias em diante, passo a andar
Pelo fio frágil de minha vida
Retomando pedaços do passado
Para remendar essa colcha de retalhos
Construída por fotos e essências
Que também pesam, como pedra...
Em cima da página de minha existência
Para que esta não voe, perdida em um mundo de gelo, irreal.
Minha linha não se acaba,
Nem se cansa de tentar desequilibrar-me.

Estradas


As rodas giram, rápidas.
Um desespero imaginário.

As mentes divagam,
Passeiam como os carros...

Caminhões, em sua carga:
Vidas pesadas.

Essas fitas correm, guiam
Pelas cidades fantasmas

Encontra-se repouso na solidão de quartos escuros,
Hotéis baratos.

Como você pode não ter medo?