12 de outubro de 2011

Eu sou, eu vou, eu tento, eu grito


Eu sou o vilão de minha história
Eu busco a satisfação
A infelicidade
Eu busco o objetivo de um mundo limitado.

Eu sou o vilão de minha história
Eu sou como Leniza Máier
E vago pela corrosão de meus sentidos
Que consome a carne ao mesmo tempo que a faz vibrar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário