6 de março de 2011

Cobra, lagarto, borboleta


A minha alma tem camadas. Tem marcas. Minha alma troca constantemente de pele. Cada vez fica mais fina... pra um dia não restar mais casa onde se abrigar, e se ver perdida, rumo talvez ao infinito. Ela muda, e a cada troca pode ser alguém diferente. Se completa com outras peles, outras almas, outros olhares. Mas no fim é sempre uma só, vivendo esse sopro do universo.

Um comentário:

  1. Que lindo e profundo! Na hora que comecei a ler lembrei daquela expressão "pessoa cebola", sabe? rs. Muitas camadas, muitos de nós mesmos. Nossa, adorei mesmo.

    Beijos!

    ResponderExcluir